Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Gerês

Gerês, 26 de Agosto de 1942.

ÁGUA

Água a correr na fonte.

Uma quimera líquida que sai

Das entranhas do monte

A saber ao mistério que lá vai...

Pura,

Branca, inodora e fria,

Cai numa pedra dura

E desfaz o mistério em melodia...

.

Gerês, 26 de Agosto de 1942.

CONDENAÇÃO

Toda a manhã o lírico pagão,

O animal sensível que em mim olha,

Olhou, olhou, cheio de comoção,

Uma folha.

Era de tília a mágica verdura.

Larga, quieta, ao sol, vivia.

E a viver assim dava frescura

A quem da terra seca lha pedia.

Nisto, não sei que maldição soprou,

Ou que Deus demoníaco sorriu,

Que toda aquela calma se agitou

E caiu.

 

Torga, Diário II

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.