Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Orfeu

 

Gustave Moreau (1826-1898). Orfeu

 

 

     À falta de registos poéticos no Diário de Torga, fica um poema meu em sua honra. Claro que não chega aos calcanhares do poeta, nem sequer se aproxima, mas é parte de mim e, neste ano de centenário, converte-se em singela homenagem.

 

TORGA

 

                                         Orfeu rebelde

                                         cantou como sempre foi: independente!

                                         contra tudo e todos

                                         sulcou a vida a rodos

                                         poeta do eu irreverente.

                                         Subiu a escada de Jacob

                                         até ao último patamar,

                                         olhou à volta e sentiu-se só.

                                         Mas isso, em vez de o desanimar

                                         deu-lhe força para lutar

                                         incansavelmente

                                         contra o deus omnipotente

                                         que se lhe queria impor

                                         ou que lhe queriam propor.

                                         Descido até ao ínfimo

                                         quis agarrar a humanidade

                                         e elevá-la até ao transcendente

                                         onde o ser mísero imanente

                                         não lhe permitia tal veleidade.

                                          Porém barafustou,

                                          lutou

                                          até lhe ser reconhecido

                                          esse trabalho exaustivo

                                          cansativo

                                          de elevar a insatisfação

                                          aos píncaros da duriense perfeição.

 

                                                                                          Guarda, Março 2007

                                                                                                Gonçalves Monteiro

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.