Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Balanxo ali ao lado no Café Mondego.

2012! RIP!
Não deixa saudades. Não deixa grandes esperanças. Não ventura nada de bom. Nada.
Exagero, claro! Mesmo o mais negativo deixa sempre lições que se podem tirar. Mas neste caso tanto a nível pessoal como social, profissional, nacional é predominantemente negativo.
Da Guarda que nos resta? Perdemos, melhor, continuámos a perder. Veio algo de novo e de positivo? Não me lembro. Exagero novamente. Há sempre as pessoas que mesmo em baixo e em crise conseguem superar dificuldades. E aqui há que louvar as manifestações de solidariedade social realizadas para ajudar / apoiar pessoas e instituições. Não destaco nenhuma para não falhar, mas é isso que continua a motivar e a ter confiança no ser humano. Ao menos os valores vão ficando apesar da sua destruição sistemática “há sempre alguém que resiste / há sempre alguém que diz não!”
Que nos anima? Que a cultura continue a pôr a nossa cidade no mapa nacional, que os nossos jovens continuem a destacar-se nas iniciativas de renovação de uma cidade que parece ter parado no tempo crítico. Que as pessoas continuem a defender os valores e a solidarizar-se umas com as outras, mostrando que “mesmo na noite mais triste” há sempre uma chama de uma vela a iluminar um caminho dificílimo. Nem que essa vela seja a poesia ou a literatura! Perdemos o MAP, mas ganhámos livros de poesia.
Esperança, confiança e acção sejam as forças de 2013! (Essas não no-las podem roubar! pelo menos as duas primeiras.)

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.