Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Despedida

S Martinho de Anta, 23 de Abril de 1984 - Despeço-me melancolicamente do jardim. Cá o deixo em festa, na sua cíclica Primavera multicor. Só o melro, que aguarda insofrido a minha partida para começar a fazer o ninho no noveleiro do pátio, fica agora a gozar, como dono privativo, este resguardado esplendor. E com todo o direito. Flores gratuitas para uns olhos gratuitos. Rosas e azáleas que nenhuma angústia veja nascer e nenhuma memória recorde.

Diário XIV

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.