Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

A CRUZ MUTILADA

A poesia de Alexandre Herculano é radicada nos salmos bíblicos, em grande parte, pois os românticos eram profundamente religiosos - lembremos Garrett na célebre afirmação: "Cristão sou e cristãos versos faço!" - daí que a temática fundamental de Herculano, na sua obra poética, seja de cariz religioso. Como estamos na Semana Maior ou Santa" deixo aqui alguns poemas nessa linha. 

 

A CRUZ MUTILADA

 

Amo-te, ó cruz, no vértice, firmada
De esplêndidas igrejas;
Amo-te quando à noite, sobre a campa,
Junto ao cipreste alvejas;
Amo-te sobre o altar, onde, entre incensos,
As preces te rodeiam;
Amo-te quando em préstito festivo
As multidões te hasteiam;
Amo-te erguida no cruzeiro antigo,
No adro do presbitério,
Ou quando o morto, impressa no ataúde,
Guias ao cemitério;
Amo-te, ó cruz, até, quando no vale
Negrejas triste e só,
Núncia do crime, a que deveu a terra
Do assassinado o pó:

 

Porém quando mais te amo,
Ó cruz do meu Senhor,
É, se te encontro à tarde,
Antes de o Sol se pôr,

 

Na clareira da serra,
Que o arvoredo assombra,
Quando à luz que fenece
Se estira a tua sombra,

 

E o dia últimos raios
Com o luar mistura,
E o seu hino da tarde
O pinheiral murmura.

 

Alexandre Herculano

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.