Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

OS PASSARINHOS

os-ninhos-9-728.jpg

 



Os passarinhos
Tão engraçados
Fazem os ninhos
Com mil cuidados.

São p'ra os filhinhos
Que estão para ter
Que os passarinhos
Os vão fazer.

Nos bicos trazem
Coisas pequenas
E os ninhos fazem 
De musgo e penas.

Depois lá têm
Os seus meninos
Tão pequeninos
Ao pé da mãe.

Nunca se faça
Mal a um ninho
À linda graça
Dum passarinho.

Que nos lembremos
Sempre também
Do pai que temos
Da nossa mãe.

Afonso Lopes Vieira.

Dança do vento

dança do vento.jpg

 

O vento é bom bailador
baila, baila e assobia,
Baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às flores bailando: 
-Bailai comigo bailai!
E elas, curvadas, arfando
começam, débeis, bailando,
e as suas folhas tombando
uma se esfolha, outra cai
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!..

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor

E diz às altas ramadas: 
-Bailai comigo, bailai!
E elas sentem-se agarradas,
bailam no ar desgrenhadas,
bailam com ele assustadas,
já cansadas, suspirando,
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!...

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às folhas caídas: 
-Bailai comigo, bailai!
No quieto chão remexidas,
as folhas, por ele erguidas,
pobres velhas ressequidas
e pendidas como um ai,
bailam, doidas chorando,
e o vento as deixa, abalando,
-e lá  vai! ...

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às ondas que rolam: 
-bailai comigo, bailai!
E as ondas no ar se empolam,
em seus braços nus o enrolam,
e batalham,
e os seus cabelos se espalham
nas mãos do vento, flutuando,
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!..

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz à chuva caindo: 
-bailai comigo, bailai!
E ao de ela seu corpo unindo,
beija-a na boca, sentindo
que ela o abraça sorrindo
e desmaia, volteando,
e já verga ao beijo, e cai,
e o vento a deixa, abalando
-e lá se vai!..
 
Afonso Lopes Vieira