Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

POEMA PIAL

 

Casa Branca — Barreiro a Moita (Silêncio ou estação, à escolha do freguês)

 

Toda a gente que tem as mãos frias

Deve metê-las dentro das pias.

 

Pia número UM,

Para quem mexe as orelhas em jejum.

 

Pia número DOIS,

Para quem bebe bifes de bois.

 

Pia número TRÊS,

Para quem espirra só meia vez.

 

Pia número QUATRO,

Para quem manda as ventas ao teatro.

 

Pia número CINCO,

Para quem come a chave do trinco.

 

Pia número SEIS,

Para quem se penteia com bolos-reis.

 

Pia número SETE,

Para quem canta até que o telhado se derrete.

 

Pia número OITO,

Para quem parte nozes quando é afoito.

 

Pia número NOVE,

Para quem se parece com uma couve.

 

Pia número DEZ,

Para quem cola selos nas unhas dos pés.

 

E, como as mãos já não estão frias,

Tampa nas pias!

 

s.d.

Quadras ao Gosto Popular. Fernando Pessoa.