Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Ar da Guarda

"Livre não sou, mas quero a liberdade. Trago-a dentro de mim como um destino." Miguel Torga

Outono

outono.jpg

 

 
Viam-se nas gotículas matinais do nevoeiro,
finas farpas que feriam a pele,
como o duro frio matinal;
 
também o vento, sorrateiro,
sacudia algumas folhas cor de mel
que tombavam no chão, afinal;
 
mesmo os teus olhos afanosos
que faiscavam nos outros dias
hoje estavam bastante incertos.
 
Ah! outono dos saudosos!
vieste com tuas bizarras fantasias:
cuidado, coração: olhos abertos!
 
J M
22.09.2016

Aprender a Estudar

 

Estudar é muito importante,
mas pode-se estudar de várias maneiras…

 

Muitas vezes estudar não é só aprender o que vem nos livros.

 

Estudar não é só ler nos livros que há nas escolas.
É também aprender a ser livres, sem ideias tolas.
Ler um livro é muito importante,
às vezes, urgente.


Mas os livros não são o bastante para a gente ser gente.
É preciso aprender a escrever,
mas também a viver,
mas também a sonhar.
É preciso aprender a crescer,
aprender a estudar.

 

Aprender a crescer quer dizer:
aprender a estudar,
a conhecer os outros,
a ajudar os outros,
a viver com os outros.
E quem aprende a viver com os outros
aprende sempre a viver bem consigo próprio.

 

Não merecer um castigo é estudar.

 

Estar contente consigo é estudar.

 

Aprender a terra,
aprender o trigo
e ter um amigo
também é estudar.

 

Estudar também é repartir,
também é saber dar o que a gente souber dividir
para multiplicar.

 

Estudar é escrever um ditado
sem ninguém nos ditar;
e se um erro nos for apontado
é sabê-lo emendar.

 

É preciso, em vez de um tinteiro,
ter uma cabeça que saiba pensar, pois,
na escola da vida, primeiro está saber estudar.

 

Contar todas as papoilas de um trigal
é a mais linda conta que se pode fazer.

 

Dizer apenas música, quando se ouve um pássaro,
pode ser a mais bela redação do mundo…

 

Estudar é muito, mas pensar é tudo!

 

Ary dos Santos

Os cardeais em ceia!

Ceia.jpg

Nem a frase sutil,
nem o duelo sangrento…
É o amor coração,
é o amor sofrimento.
Uma lágrima…Um beijo…
Uns sinos a tocar..
Um parzinho que ajoelha
e que vai casar.
Tão simples tudo!
Amor, que de rosas se inflora:
Em sendo triste canta,
em sendo alegre chora!
O amor simplicidade,
o amor delicadeza…
Ai, como sabe amar,
a gente portuguesa!
Tecer de sol um beijo, e,
desde tenra idade,
Ir nesse beijo unindo o amor
com a amizade,
Numa ternura casta
e numa estima sã,
Sem saber distinguir entre
a noiva e a irmã…
Fazer vibrar o amor em
cordas misteriosas,
Como se em comunhão se
entendessem as rosas,
Como se todo o amor fosse
um amor somente…

Ai, como é diferente!

Ai, como é diferente!

(Julio Dantas, A ceia dos cardeais)

Pequena Elegia de Setembro

 

menino sorridente oferecendo flores.jpg

Não sei como vieste, 
mas deve haver um caminho 
para regressar da morte. 

Estás sentada no jardim, 
as mãos no regaço cheias de doçura, 
os olhos pousados nas últimas rosas 
dos grandes e calmos dias de setembro. 

Que música escutas tão atentamente 
que não dás por mim? 
Que bosque, ou rio, ou mar? 
Ou é dentro de ti 
que tudo canta ainda? 

Queria falar contigo, 
Dizer-te apenas que estou aqui, 
mas tenho medo, 
medo que toda a música cesse 
e tu não possas mais olhar as rosas. 
Medo de quebrar o fio 
com que teces os dias sem memória. 

Com que palavras 
ou beijos ou lágrimas 
se acordam os mortos sem os ferir, 
sem os trazer a esta espuma negra 
onde corpos e corpos se repetem, 
parcimoniosamente, no meio de sombras? 

Deixa-te estar assim, 
ó cheia de doçura, 
sentada, olhando as rosas, 
e tão alheia 
que nem dás por mim. 

Eugénio de Andrade

Se eu nunca disse - Reinaldo Ferreira

Se eu nunca disse que os teus dentes

São pérolas,

É porque são dentes.

Se eu nunca disse que os teus lábios

São corais,

É porque são lábios.

Se eu nunca disse que os teus olhos

São d'ónix, ou esmeralda, ou safira,

É porque são olhos.

Pérolas e ónix e corais são coisas,

E coisas não sublimam coisas.

Eu, se algum dia com lugares-comuns

Houvesse de louvar-te,

Decerto que buscava na poesia,

Na paisagem, na música,

Imagens transcendentes

Dos olhos e dos lábios e dos dentes.

Mas crê, sinceramente crê,

Que todas as metáforas são pouco

Para dizer o que eu vejo.

E vejo lábios, olhos, dentes.

Lugares

prados.jpg

 

Regresso devagar aos lugares da minha infância

Lentamente para poder saborear

Os aromas, as brincadeiras, a abundância

De carinhos, as paixões e o luar!

 

J M

OS PASSARINHOS

os-ninhos-9-728.jpg

 



Os passarinhos
Tão engraçados
Fazem os ninhos
Com mil cuidados.

São p'ra os filhinhos
Que estão para ter
Que os passarinhos
Os vão fazer.

Nos bicos trazem
Coisas pequenas
E os ninhos fazem 
De musgo e penas.

Depois lá têm
Os seus meninos
Tão pequeninos
Ao pé da mãe.

Nunca se faça
Mal a um ninho
À linda graça
Dum passarinho.

Que nos lembremos
Sempre também
Do pai que temos
Da nossa mãe.

Afonso Lopes Vieira.

Poema do coração

 

coraçao-foto.jpg

 

Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração, 
e também a Bondade, 
e a Sinceridade, 
e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração. 
Então poderia dizer-vos: 
"Meus amados irmãos, 
falo-vos do coração", 
ou então: 
"com o coração nas mãos". 

Mas o meu coração é como o dos compêndios 
Tem duas válvulas (a tricúspida e a mitral) 
e os seus compartimentos (duas autículas e dois ventrículos). 
O sangue a circular contrai-os e distende-os 
segundo a obrigação das leis dos movimentos. 

Por vezes acontece 
ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados, 
e uma lâmina baça e agreste, que endurece 
a luz dos olhos em bisel cortados. 
Parece então que o coração estremece. 
Mas não. 
Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático, 
que esse vento que sopra e que ateia os incêndios, 
é coisa do simpático.Vem tudo nos compêndios.

Então, meninos! 
Vamos à lição! 
Em quantas partes se divide o coração?

António Gedeão

Dança do vento

dança do vento.jpg

 

O vento é bom bailador
baila, baila e assobia,
Baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às flores bailando: 
-Bailai comigo bailai!
E elas, curvadas, arfando
começam, débeis, bailando,
e as suas folhas tombando
uma se esfolha, outra cai
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!..

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor

E diz às altas ramadas: 
-Bailai comigo, bailai!
E elas sentem-se agarradas,
bailam no ar desgrenhadas,
bailam com ele assustadas,
já cansadas, suspirando,
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!...

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às folhas caídas: 
-Bailai comigo, bailai!
No quieto chão remexidas,
as folhas, por ele erguidas,
pobres velhas ressequidas
e pendidas como um ai,
bailam, doidas chorando,
e o vento as deixa, abalando,
-e lá  vai! ...

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz às ondas que rolam: 
-bailai comigo, bailai!
E as ondas no ar se empolam,
em seus braços nus o enrolam,
e batalham,
e os seus cabelos se espalham
nas mãos do vento, flutuando,
e o vento as deixa, abalando
-e lá vai!..

O vento é bom bailador, 
baila, baila e assobia,
baila, baila e redopia
e tudo baila em redor!

E diz à chuva caindo: 
-bailai comigo, bailai!
E ao de ela seu corpo unindo,
beija-a na boca, sentindo
que ela o abraça sorrindo
e desmaia, volteando,
e já verga ao beijo, e cai,
e o vento a deixa, abalando
-e lá se vai!..
 
Afonso Lopes Vieira